Ângulo Produções

Ângulo Produções
Serviço Profissional de Fotojornalismo e Vídeojornalismo - Informações Ligue (11) 2854-9643

sábado, 6 de outubro de 2012

Pastor pode se candidatar? políticos, sociólogos e líderes religiosos falam sobre questão


Às vésperas das eleições municipais no Brasil, não são poucos os candidatos a cargos públicos que egressam da função de pastores, com um nome muitas vezes já consolidado em anos de ministério em igrejas evangélicas.

O assunto é polêmico e levanta dúvidas entre os próprios líderes religiosos. Muitos discordam terminantemente de que pastores possam assumir funções em cargos de administração pública.

“Em época de eleição é comum receber a solicitação de inúmeros pastores, que em nome de Deus advogam a crença de que o Deus Todo-Poderoso os convocou a uma missão hercúlea, a qual somente eles conseguirão viabilizar”, diz o pastor Renato Vargens, da Igreja Cristã da Aliança em Niterói, em uma postagem em seu blog. Segundo Vargens, estes candidatos costumam fazer uso de chavões como “somos cabeça e não cauda”, “chegou a nossa hora”, “vamos mudar o Brasil” etc.

Segundo ele, pode haver casos de pessoas vocacionadas ao serviço público mas ele afirma que não acredita que existam “pastores especiais que trocam o santo privilégio de ser pregador do Evangelho eterno por um cargo público qualquer”. Para o líder religioso, caso o pastor deseje candidatar-se, que deixe o pastorado e “não misture o santo ministério com o serviço público e que não barganhe a fé, nem confunda as ovelhas com gado marcado para o abate”.

Um dos casos mais famosos de líder religioso considerado para um cargo público foi o do evangelista Billy Graham. Conhecido por ter sido conselheiro de vários presidentes norte-americanos, além de tratar e tentar evangelizar pessoalmente outros chefes de estado de vários países, ele foi convidados diversas vezes para ocupar cargos públicos, inclusive para concorrer à presidência dos EUA.

Em todas as vezes ele se negou a candidatar-se e para fugir do assédio dos inúmeros políticos americanos que tentavam convencê-lo ele respondeu: “Eu não vou deixar de ser embaixador da pátria celestial para ser simplesmente presidente dos Estados Unidos”.

Perda de credibilidade
O sociólogo cristão Paul Freston abordou o assunto durante a Feira Literária Internacional Cristã, que ocorreu em maio em São Paulo.

Segundo ele, acredita ser inadequado pastores que se lançam na vida política. Em sua visão, a natureza distinta das duas atividades pode levar à perda de credibilidade de um líder religioso.

“Acho complicado quando pastores ativos se lançam na política. O discurso político é diferente do realizado no púlpito. Este exige uma ênfase e veemência nos princípios bíblicos que nem sempre é possível aplicar em uma atividade política”, disse, segundo o site Gospel Voice.

Freston ainda considerou que o líder religioso que se presta a exercer atividades políticas pode sofrer com a perda de credibilidade. “O discurso feito no meio político é diferente do feito nos púlpitos”, enfatizou.

O cenário de crescimento da população evangélica no Brasil tem feito com que muitos candidatos colocassem a questão no planejamento de sua campanha eleitoral. Com isso passam a moldar seu discurso de acordo com essa parcela do eleitorado, colocando em seu programa de governo assuntos relativos a valores familiares.

Porém a rejeição de parte do eleitorado aos pastores é visível. Um dos casos mais notados è da candidatura de Celso Russomanno à prefeitura de São Paulo.

Dizendo-se católico, o candidato do PRB tem sua campanha comandada por pastores da Igreja Universal do Reino de Deus, o que levou muitos eleitores a rejeitarem seu nome ao cargo máximo da maior cidade do País.

Os partidos agora tentam equilibrar o apoio do eleitorado evangélico como parte integrante do todo, sem deixar de considerar as diversas faces e credos que completam a sociedade

Fonte: GM

#Eleições2012 - São Paulo tem 335 candidaturas indeferidas com base na Lei da Ficha Limpa


O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) indeferiu 335 candidaturas a prefeito, vice-prefeito e vereador com base na Lei da Ficha Limpa. Segundo o tribunal, os principais motivos para a negativa foram improbidade administrativa, condenação criminal transitada em julgado e abuso de poder político ou econômico. Do total de candidaturas negadas com base na Lei da Ficha Limpa no estado, 108 eram para prefeito, 22 para vice-prefeito e 205 para vereador.

Desde agosto, o TRE-SP julgou 2.787 recursos de registro de candidatura. Desse total, mais da metade (1.686 recursos) foi indeferido. A principal razão para os indeferimentos foi a falta de quitação eleitoral, que impediu 599 candidaturas no estado, principalmente porque os candidatos não pagaram no prazo as multas por propaganda irregular. A segunda maior causa de indeferimento, que barrou 364 pedidos de registro, decorreu de problemas com a filiação partidária.

Fonte: EBC

RÁDIO NOTÍCIAS - Justiça Eleitoral vai contar este ano com 1.346 pontos de transmissão via satélite


Os votos dos eleitores de áreas mais remotas do país, como por exemplo, as reservas indígenas e as comunidades quilombolas, serão totalizados mais rápido do que os dos grandes centros urbanos. É que nessas localidades os votos serão transmitidos para central de dados da Justiça Eleitoral por meio de satélite.

Click e Ouça:

Fonte: EBC

TSE estima que apuração das eleições estará concluída até as 22 horas de domingo


O resultado das eleições municipais do próximo domingo (7) deve ser conhecido até as 22h, horário de Brasília. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a exceção pode ocorrer nos municípios mais isolados, caso haja algum tipo de problema nas comunicações.

Na maior parte das cidades, a apuração dos votos vai começar às 17h, horário de Brasília. Mas nos municípios cujo fuso horário é uma hora a menos, pelo horário da capital federal, ela terá início às 18h.
Mas o resultado dos eleitos pode não ser definitivo porque, segundo o secretário-geral do TSE, Carlos Henrique Braga, o tribunal ainda não julgou todos os recursos sobre impugnação de candidaturas e negativa de registros. Por isso, processos que serão julgados depois de domingo podem alterar o resultado das eleições em alguns municípios.

“A impugnação é um processo, com uma ação penal por exemplo. Na ação penal o réu pode ser condenado ou absolvido ao fim do processo. No caso da impugnação, ao fim ela pode ser acolhida ou rejeitada. É preciso que o processo termine para saber o resultado”, explicou Braga.

Há ainda os casos que foram julgados pelo TSE, mas que ainda podem ter recursos apresentados ao
Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo o secretário-geral, casos como esses, os partidos podem optar por apresentar outro candidato até amanhã (6), ou por manter o candidato acreditando no recurso ao STF. Se optarem por manter o candidato cujo registro foi negado, o nome do concorrente aparecerá na urna eletrônica, mas os votos destinados a ele não serão inicialmente computados.

“Será considerado vencedor o candidato que tiver mais número de votos válidos. E os votos a esses candidatos, que foram impugnados, não são considerados válidos. Se eles recorrerem ao Supremo é preciso que apresentem uma medida liminar do STF que lhes garanta a diplomação e posse”, disse.
Para evitar maiores contratempos nas eleições deste ano, o TSE aprimorou as urnas eletrônicas colocando baterias com autonomia de 12 horas de funcionamento sem recarga para o caso de interrupção no fornecimento de energia em alguma localidade. No entanto, não será possível garantir a transmissão completa dos dados ao Tribunal Regional Eleitoral.

A presidenta do TSE, ministra Cármen Lúcia, entrou em contato com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) solicitando que elas ajam preventivamente para evitar cortes que atrapalhem as votações ou a transmissão dos dados.

Fonte: EBC

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

#Eleições2012 para Prefeitos e Vereadores


Neste domingo, quase 139 milhões de brasileiros vão as urnas para escolher os prefeitos e vereadores de seu município, pelos próximos 4 anos.

Mais de 277 mil eleitores vão escolher futuro prefeito de Mogi das Cruzes


Mogi das Cruzes tem 277.874 eleitores, segundo dados de junho do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). São eles que vão escolher, nas próximas eleições municipais, o futuro prefeito da cidade.

De acordo com o TSE, seis candidatos devem disputar a eleição para prefeito de Mogi das Cruzes. O atual, Marco Bertaiolli, busca a reeleição com a coligação Mogi de Todos Nós. Também vão concorrer os candidatos Edgar Passos (PSTU), Fernando Muniz (da coligação Mogi de Mãos Limpas), Jorge Paz (PSOL), Marco Soares (da coligação Construindo o Futuro da Nossa Mogi) e Mario Berti (PCB).

O Produto Interno Bruto (PIB) de Mogi das Cruzes somou, em 2009, R$ 7,7 bilhões. O setor de comércio e de serviços, com R$ 4,4 bilhões, tem o maior peso no PIB. Ele emprega quase 30 mil trabalhadores.

Segundo a prefeitura, Mogi das Cruzes conta hoje com mais de 400 indústrias dos ramos automobilístico, siderúrgico, alimentício e químico, entre outros.

A agricultura, apesar de contribuir com apenas R$ 110,7 milhões para o PIB, também é responsável pela criação de empregos. Mogi das Cruzes é a maior produtora nacional de caqui, orquídeas, cogumelos comestíveis e hortaliças.

Fonte: EBC

Presidente da Colômbia descarta cessar-fogo antes da conclusão do processo de paz com as Farc


A pouco mais de uma semana para formalizar o acordo de paz entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), o presidente Juan Manuel Santos descartou um cessar-fogo antes da conclusão do processo de negociações. A reunião que formalizará o acordo está marcada para o dia 14, em Oslo, na Noruega. No dia 17, representantes dos negociadores concederão entrevista coletiva.

É a quarta tentativa oficial de negociações em 30 anos. As autoridades da Noruega, de Cuba, da Venezuela e do Chile fazem a mediação das negociações, que começaram em Havana, capital cubana. Há um ano e meio, Santos articula o fim do impasse com as Farc.

Em 2002, fracassou a última tentativa de acordo de paz entre o governo e as Farc, quando as autoridades determinaram o fim do diálogo por considerar que a guerrilha aproveitou a desmilitarização de uma parte do território para se reforçar.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Noruega confirmou que haverá uma declaração conjunta, seguida de entrevista coletiva, de todos os envolvidos no processo de paz. Principal guerrilha em atuação na Colômbia, as Farc estão em atividade desde 1964.

As autoridades colombianas classificam as Farc como uma organização terrorista, assim como os governos dos Estados Unidos e países que integram a União Europeia.

Fonte: EBC

RÁDIO NOTÍCIAS - Lei da Ficha Limpa será aplicada em todo o país nestas eleições


Os candidatos ficha suja não terão vez, nas eleições municipais de outubro. A Lei da Ficha Limpa já está valendo. Saiba mais com Graziele Bezerra da Rádio Nacional da Amazônia.

Click e Ouça:

Fonte: EBC

#Eleições2012 - Candidatos têm último dia para divulgar campanhas pagas na imprensa e internet


A dois dias das eleições municipais, os cerca de 480 mil candidatos têm até o fim da noite de hoje (5) para a divulgação paga, na imprensa escrita e na internet, da propaganda eleitoral. Amanhã (6), véspera da votação, será o último dia para o eleitor receber a segunda via do título. O sábado também é a última oportunidade de fazer propaganda eleitoral usando alto-falantes e amplificadores de som.

As votações, no dia 7, ocorrem das 8h às 17h. No dia da votação os eleitores poderão manifestar publicamente suas preferências, usando camisas, bonés e adereços dos candidatos, mas é proibida a propaganda eleitoral por meio de grupos de pessoas e carros de som.

A expectativa é que aproximadamente 140 milhões compareçam às urnas para escolher o prefeito e o vereador. Por determinação do Tribunal Superior Eleitoral, o horário de vigência da Lei Seca cabe a cada Tribunal Regional Eleitoral (TRE), segundo suas  necessidades.

Em geral, os TREs optam por proibir a venda de bebidas alcoólicas a partir das 22h de sábado até as 18h de domingo. O objetivo da chamada Lei Seca é garantir equilíbrio aos eleitores durante a votação, impedir desentendimentos e acidentes envolvendo o consumo de bebidas alcoólicas.

Fonte: EBC

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Crianças do Complexo do Alemão ganham biblioteca com serviço de internet


Rio de Janeiro – O público infantil do Complexo do Alemão, na zona norte da capital fluminense, conta a partir de hoje (4) com uma biblioteca do projeto Indústria do Conhecimento, um espaço voltado para a educação e cultura, com acervo de 1,2 mil livros, revistas e gibis doados pela Academia Brasileira de Letras (ABL).

As cerca de 400 crianças que devem frequentar semanalmente o local terão acesso a computadores com internet, sala de multimídia, diversas oficinas e atrações como apresentações teatrais. O Complexo do Alemão é a 11ª comunidade a ganhar a biblioteca do projeto.

O projeto Indústria do Conhecimento é uma iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) em parceria com a Academia Brasileira de Letras e integra as ações de educação do Programa SESI Cidadania. A expectativa é de que outras comunidades pacificadas recebam a biblioteca.

Para o secretário-geral da ABL, o acadêmico Geraldo Holanda Cavalcanti, essa é uma grande oportunidade de contribuir para a formação das crianças. “É uma contribuição para a inserção da comunidade na vida econômica, social e cultural da cidade”, destacou.

A chegada do projeto na comunidade representa um sonho para Ronan Souza Vieira, de 12 anos, estudante da rede pública de ensino. Ele acompanhou com atenção a apresentação de uma contadora de histórias durante a inauguração. Inspirado, o menino disse ser fã de leitura.

“Gostei muito de ter uma biblioteca perto de casa, minha vida vai melhorar muito, gosto de ler. Antes, a gente não tinha nada por aqui”, declarou.

Fonte: EBC

RÁDIO NOTÍCIAS - Policiais federais no Rio vão cumprir determinação do STJ e atuar nas eleições

Policiais federais no Rio vão cumprir determinação do STJ e atuar nas eleições.

Click e Ouça um Giro de Notícias:

Fonte: EBC

Revisor do processo do mensalão diz que José Dirceu não cometeu corrupção ativa


O ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu está sendo inocentado da acusação de corrupção ativa pelo revisor da Ação Penal 470, ministro Ricardo Lewandowski. Apesar de ainda não ter proclamado oficialmente seu voto, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) já disse que não há provas da participação de Dirceu na distribuição de dinheiro a políticos da base aliada ao governo entre 2003 e 2004, esquema conhecido como mensalão.

“Não afasto a possibilidade que José Dirceu tenha, de fato, participado desses eventos, não descarto que foi até mentor da trama criminosa, mas o fato é que isso não encontra ressonância na prova dos autos”, disse Lewandowski. O ministro abriu a trigésima segunda sessão de julgamento da ação penal nesta quinta-feira (4) com o voto sobre Dirceu. Ontem (3), ele votou sobre os outros nove réus dessa etapa, condenando cinco e absolvendo quatro do crime de corrupção ativa.

Lewandowski criticou o trabalho do Ministério Público Federal (MPF), dizendo que a acusação partiu de “ilações e conjecturas” e não individualizou os crimes imputados a Dirceu. “O que tem são testemunhos, muito colhidos em CPI [comissão parlamentar de inquérito], alguns na Polícia Federal, muitos deles, senão a maioria, desmentidos cabalmente diante de um magistrado togado”.

Fonte: EBC

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Site ajuda estudantes surdos

No Rio, um jovem criou um site para ajudar surdos na escola. O portal oferece vídeos educativos e material traduzido para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

CPAD organiza 7º Congresso de Escola Dominical


Faculdade da CGADB emitirá aos participantes certificados com carga horária de 20h/a

A Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD) realizará neste ano o seu 7º Congresso Nacional de Escola Dominical. O evento está programado para os dias 10 a 13 de outubro, nas instalações do Centro de Convenções Riocentro, no Rio de Janeiro (RJ). É mais um empreendimento da editora, que é comprometida com o ensino bíblico e a Escola Dominical. O evento terá plenárias, workshops, seminários e muito mais.

Nesta sétima edição, os participantes vão contar com o mesmo zelo na ministração da doutrina bíblica e de matérias de reciclagem para professores e superintendentes de ED, através de preletores munidos de importantes informações, destacando o conhecimento e a aprendizagem a fim de alcançar os objetivos propostos.

O início dos trabalhos será na quarta-feira (10), a partir das 9h. O culto terá início às 19h com a ministração da Palavra de Deus pelo  pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB). Os cadastros acontecerão apenas no período das 9h às 18h da quarta-feira. Tanto na quinta como na sexta, haverá duas plenárias no período da manhã, além de seminários e workshops à tarde e uma plenária à noite. No sábado, encerramento do Congresso das 9h às 11h, com duas outras plenárias e a ministração do pastor José Wellington Costa Júnior, presidente do Conselho Administrativo da CPAD.

Os certificados com cerca de 20 h/a (horas/aulas) serão expedidos pela Faecad, contando ponto para estudantes que precisam cumprir carga horária exigida pelas Instituições de Ensino Superior (IES) de frequência a cursos.

Os preletores são pastores Antonio Gilberto (RJ), Johnnie Moore  e Tommy Barnett (EUA), Claudionor de Andrade (RJ), Elienai Cabral (DF), César Moisés (RJ), Marcos Tuler (RJ), Eliezer Morais (RS), Jamiel Lopes (SP) e Esdras Bentho (RJ); o diretor da CPAD, Ronaldo Rodrigues de Souza (RJ); e os professores Marlene LeFever (EUA), Elaine Cruz (RJ), Newton Cezar (RJ), Joane Bentes (PR), Telma Bueno (RJ), Helena Figueiredo (RJ), Siléia Chiquini (PR), Anita Oyaizu (SP).

Fonte: AI

Ministério Público apresenta TAC às oito maiores empresas de construção do país


O Ministério Público do Trabalho propôs hoje (2) em audiência coletiva a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) às oito maiores construtoras do país. A ação pretende garantir boas condições de trabalho e estabelecer regras para a terceirização de serviços em 89 municípios paulistas.

Compareceram à audiência as construtoras MRV Engenharia, Rossi, PDG-Goldfarb, Odebrecht, Brookfield, Cyrela, Gafisa e Direcional. As empresas terão prazo de 30 dias para se manifestar.

O TAC obriga as empresas a cumprir 21 determinações, sob pena de multa pelo seu descumprimento. Entre os itens está a obrigação de formalizar, na região de origem, o contrato de trabalho dos empregados que vêm de outros estados. O TAC ainda estipula a responsabilidade solidária das construtoras nos casos em que as terceirizadas não honrem suas obrigações trabalhistas, previdenciárias e fundiárias.

O documento afirma que, uma vez notificada pelo Ministério Público ou pelo Ministério do Trabalho sobre situação que configure riscos imediatos à saúde e segurança dos trabalhadores, a empresa deverá suspender imediatamente as atividades até a regularização. A multa por descumprimento é R$ 100 mil por item e por  obra em que as irregularidades sejam constatadas.

Na última semana, o Ministério Público do Trabalho encontrou irregularidades em dez de 19 obras fiscalizadas no interior paulista. Cerca de 4 mil trabalhadores estavam em condições como falta de segurança, de higiene e em alojamentos em condições precárias.

De acordo com balanço divulgado pelo MPT, foram vistoriadas obras nos municípios de Campinas, Jundiaí, Peruíbe, Piracicaba, Presidente Prudente e São José dos Campos.

Fonte: EBC

Rio de Janeiro sediará seminário de Ciências Bíblicas


Promovido pela Sociedade Bíblica do Brasil, o encontro acontece nos dias 09 e 10 de novembro, na Comunidade Batista do Rio. As vagas são limitadas

Nos dias 09 e 10 de novembro, a cidade do Rio de Janeiro (RJ) será palco de mais uma edição do Seminário de Ciências Bíblicas. Realizada há mais de uma década, a iniciativa, da Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), visa contribuir para a ampliação do conhecimento sobre o Livro Sagrado. Para isso, reúne palestras que abordam aspectos sobre tradução da Bíblia e sua história, bem como a aplicação dos ensinamentos do Livro Sagrado em diferentes setores sociais, na igreja, na família e na escola, entre outros.

Organizados desde o ano 2000, esses encontros já alcançaram milhares de pastores, líderes cristãos, obreiros, professores de escola bíblica e seminaristas. A edição do Rio de Janeiro, que acontece na CBRio – Comunidade Batista do Rio, localizada no Shopping Open Mall, na Barra da Tijuca, terá cinco painéis, além de espaço para uma sessão de perguntas e respostas. O investimento é de R$ 30,00 e R$ 15,00 (seminaristas, grupos ou estudantes). Mais informações pelos telefones 0800-727-8888, (21) 3203-1999 (Secretaria Regional da SBB) e (21) 2221-9883 – Ramal 211 (Centro Cultural da Bíblia).
Confira, a seguir, a programação completa do evento:


09 de NOVEMBRO – Das 19h30 às 22h30

* A Bíblia: sua natureza, funções e finalidade – Vilson Scholz: Essa palestra aborda a importância da Bíblia Sagrada, o livro mais traduzido e lido de todos os tempos. Regra de fé e de vida dos cristãos, a Bíblia é lida, pregada, discutida e vivida. No entanto, raramente seu leitor faz uma pausa para perguntar: Que livro é esse? Quais são as suas funções? Aonde esse livro quer nos levar? Qual é a sua finalidade? E são justamente esses os questionamentos levantados pelo palestrante durante o painel.

Vilson Scholz: Pastor e professor de Teologia Exegética, tem mestrado e doutorado na área do Novo Testamento. Consultor de Tradução da Sociedade Bíblica do Brasil, é professor da Universidade Luterana do Brasil, em Canoas (RS). É tradutor do Novo Testamento Interlinear Grego-Português (SBB) e autor de Princípios de Interpretação Bíblica (Editora da Ulbra).

* A Bíblia e a Educação – Altair Germano: A palestra tratará sobre os métodos, objetivos e conteúdos educacionais, aplicados no Antigo e Novo Testamentos, destacando a importância da educação na formação e desenvolvimento integral do indivíduo, tendo como fundamento os princípios da Palavra de Deus e a participação da sociedade, da igreja e da família neste processo.
Altair Germano: Mestre em Teologia, é licenciado em Pedagogia e especialista em Educação Cristã. Pastor auxiliar na Assembleia de Deus em Abreu e Lima (PE), é vice-presidente do Conselho de Educação e Cultura da CGADB (Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil) e 1º vice-presidente do Diretório Estadual da Sociedade Bíblica do Brasil em Pernambuco, além de conferencista e escritor.

10 de NOVEMBRO – Das 8h30 às 17h00
* A transmissão do texto bíblico – Vilson Scholz: A Bíblia, escrita em hebraico, aramaico e grego, é uma coleção de livros que ficou pronta há mais ou menos dois mil anos. Se hoje os textos originais são traduzidos, cabe perguntar: Como esses textos foram preservados? Onde estão publicados? Como ter acesso a eles? Esta palestra, que inclui temas relacionados com paleografia, arqueologia e crítica textual, procura mostrar como a Bíblia foi transmitida, desde o tempo dos profetas e apóstolos, até os dias de hoje.

A Bíblia e a Evangelização – Christian Santiago Lo Iacono: A palestra abordará a Bíblia como um livro de salvação, o significado da pregação, o poder de Deus e o chamado para pregação. De acordo com o palestrante, é perigoso quando a tarefa da pregação é exercida apenas por quem “sente” o chamado. Esta obra não depende de sentimentos, mas de Deus.
Christian Santiago Lo Iacono: É formado em Direito pela UFRGS e em Teologia pela ULBRA. Trabalha atualmente na Justiça Federal de Porto Alegre (RS) e faz mestrado em Teologia, área de Bíblia, Novo Testamento, na Escola Superior de Teologia (EST), em São Leopoldo (RS). É pastor junto à Igreja Evangélica Encontros de Fé, presidente do Diretório Estadual da SBB no Rio Grande do Sul e membro da Diretoria da SBB.

* O trabalho da SBB – Vilson Scholz: Nesta palestra, serão destacados os vários esforços da organização para difundir a Bíblia e a sua mensagem. Entre os destaques está a apresentação dos programas sociais da entidade, voltados especialmente para as populações em situação de risco social, e o programa sócio evangelizador, mantido pela SBB há mais de 30 anos.


Seminário de Ciências Bíblicas do Rio de Janeiro

Data:                    09 e 10 de novembro de 2012
Local:                   CBRio – Comunidade Batista do Rio
Endereço:            Avenida das Américas, 7907 – Shopping Open Mall –  Barra da Tijuca (Em frente ao terminal Américas Park do BRT Trans Oeste e ao lado do Shopping Rio Design) – Rio de Janeiro – RJ
Horário:               9/11 – Das 19h30 às 22h30
10/11 – Das 08h30 às 17h00
Investimento:       R$ 30,00 e R$ 15,00 (seminaristas, grupos ou estudantes)
Informações:        0800-72-8888 – (21) 3203-1999 (Secretaria Regional da SBB) e (21) 2221-9883 - Ramal 211 (Centro Cultural da Bíblia)
Inscrição online: www.sbb.org.br/seminarios

Fonte: AI

Junji é indicado para Comissão Mista


Parlamentar passará a integrar colegiado de deputados e senadores, a ser instalado no Congresso, para analisar medida provisória que trata da redução das contas de luz no País

O deputado federal Junji Abe (PSD-SP) passará a integrar a Comissão Mista, a ser instalada no Congresso Nacional, para analisar a MP 579/2012, medida provisória editada pelo Palácio do Planalto com o objetivo de tratar do conjunto de ações que reduz, em cerca de 20%, o custo da energia elétrica consumida no País a partir de 2013. O colegiado de deputados e senadores deverá ser oficialmente constituído até a segunda quinzena deste mês. A data prevista é o próximo dia 16 de outubro.

“É uma enorme responsabilidade fazer parte do grupo encarregado de examinar as medidas que visam responder ao justo clamor da sociedade pelo barateamento das contas de luz. Vamos empenhar todos os esforços na análise criteriosa da matéria em nome do interesse coletivo para que as expectativas da população sejam atendidas”, manifestou-se Junji que também é vice-presidente da FPMDCEEC – Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Consumidores de Energia Elétrica e Combustíveis.

Presidida pelo deputado César Halum (PSD-TO), a frente lançou, em outubro do ano passado, uma cruzada nacional pela redução das tarifas de eletricidade no País. Segundo Junji, as medidas anunciadas no mês passado pela presidente Dilma Rousseff (PT) para baixar os preços da energia elétrica confirmam a legitimidade do movimento.

A indicação de Junji para compor a comissão mista partiu da liderança do PSD na Câmara Federal. A presidência do grupo deverá ficar com o líder do PT, deputado Jilmar Tatto (SP), nome ainda não oficializado. As emendas apresentadas pelos parlamentares serão analisadas por um relator ainda não indicado. Já está definido que será um senador. Por causa da importância da matéria, o governo quer um nome do bloco de apoio no Senado, que inclui PT, PDT, PSB, PCdoB e PRB, mas há um movimento em favor da indicação do senador Armando Monteiro (PTB-PE), do bloco União e Força (PTB, PR e PSC).

A MP 579/2012 permite a renovação antecipada, por até 30 anos, de contratos de concessão nas áreas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, e diminui o peso de encargos setoriais embutidos no preço final das tarifas, como a RGR – Reserva Global de Reversão, que será extinta. Em relação às termelétricas, a prorrogação das concessões terá um prazo menor: até 20 anos.

A MP altera o marco regulatório do setor elétrico brasileiro (Lei 10.848/2004) e autoriza a União a adquirir créditos que a Eletrobras – Centrais Elétricas Brasileiras S.A. detém com a Itaipu Binacional, como forma de compensar eventuais perdas na arrecadação. Com foco na desoneração do setor produtivo, o governo estima que as medidas representem redução de 19% a 28% no valor da tarifa paga por grandes empresas. No caso dos consumidores domésticos, o corte poderá chegar a 16,2%.

Revisão tarifária
Segundo o deputado federal Junji Abe, a medida provisória (MP 579/2012) está calcada no conceito de aproveitar a renovação antecipada dos contratos de concessão, que vencem entre 2015 e 2017, para fazer a revisão do modelo tarifário praticado no País. Um dos objetivos é deixar de repassar ao consumidor final o custo de investimentos em ativos (usinas e demais instalações) realizados pelas concessionárias e já amortizados (pagos) durante a vigência dos contratos.

Junji disse que é fundamental eliminar o valor que o brasileiro está pagando às geradoras de energia elétrica para restituir os investimentos feitos na construção das usinas. “Na teoria, a amortização teria de ocorrer em até 30 anos. Na prática, tem empresas que já cobram a conta há 50 anos e outras 112 completarão 30 anos de cobrança em 2015. Isto não tem sentido”.

O modelo atual prevê que uma usina é remunerada pelo investimento de sua construção, que é amortizado em 20 ou 30 anos, e faz parte da composição do preço da energia ali produzida. Assim, hoje o valor cobrado dos consumidores traz embutida parte da indenização paga à concessionária pelo investimento feito em bens reversíveis, independentemente de o valor ter sido ou não amortizado ao longo dos anos.

A renovação das concessões do setor elétrico que estão vencendo nos próximos anos é um dos pontos da MP que promete acalorados debates no Congresso Nacional. Os parlamentares estão preocupados com as condicionantes de novas reduções tarifárias associadas às renovações. As concessionárias terão a opção de aceitar ou não as bases do acordo. Aquelas que recusarem deverão abrir mão das concessões para que o governo faça leilão.

Entre as condições para renovação, que podem ser revistas pelos deputados e senadores, estão a tarifa que geradoras e transmissoras poderão cobrar, a indenização que receberão do governo para os bens não amortizados e os novos padrões de qualidade a ser seguidos.

A situação afeta mais as transmissoras e as geradoras, incluindo as de capital público, como Furnas e Cesp – Companhia Energética de São Paulo. O decreto de regulamentação estabeleceu que, até  1º de novembro, o Ministério de Minas e Energia divulgará o valor das tarifas que elas poderão cobrar. Segundo o governo, a MP atinge 25% do parque gerador do País e 85 mil quilômetros de linhas de transmissão.

O acordo proposto pelo governo às atuais concessionárias de usinas hidrelétricas será monitorado criteriosamente, como garantiu Junji. Pela negociação, elas aceitariam baixar a tarifa em troca da renovação das concessões no próximo ano para que os efeitos da redução do preço sejam repassados aos consumidores em 2013. Os contratos vencem entre 2015 e 2017. Pela lei atual, elas iriam a um novo leilão.

As vantagens que um novo leilão traria em termos de redução de preços da energia elétrica terão de ser garantidas aos consumidores sob a forma de contas de luz mais baratas e melhoria da qualidade dos serviços, como antecipou Junji. “Vamos vigiar isto com todo rigor”, asseverou.

Os congressistas estão preocupados com os prazos estipulados pelo governo. De acordo com a MP, as empresas têm até o dia 15 de outubro para dizer se desejam continuar com suas concessões por mais 20 a 30 anos, dependendo do caso. “Ocorre que, até lá, a Câmara e o Senado dificilmente conseguirão aprovar o texto final da medida provisória. As regras gerais para renovação podem ser modificadas durante a tramitação”, esclareceu Junji.

Provavelmente, observou Junji, a comissão mista encarregada de analisar a MP será instalada somente após o prazo final para as empresas anunciarem se concordam com as condições de prorrogação que, na prática, só serão definidas depois da aprovação da medida provisória.  Na quinta-feira (27/09), o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, declarou que o governo não irá alterar as datas previstas na MP.

Em que pese a necessidade de exame rigoroso da medida provisória, avaliou Junji, a redução das tarifas de energia elétrica é “indispensável para baixar o Custo Brasil, agravado pela pesada tributação, enormes ônus sobre a folha de pagamentos, altíssimas taxas de juros, infraestrutura inexistente, Previdência Social claudicante, educação sem qualidade e outros fatores que massacram a competitividade do Brasil no cenário selvagem do mundo globalizado".

Os altos preços da energia elétrica sobre os setores produtivos têm “efeitos catastróficos” para a sociedade brasileira, como frisou Junji. “O brasileiro é penalizado múltiplas vezes. Paga caro pela sua conta de luz, arca com o peso extra de todos os bens e serviços que consome e ainda amarga os reflexos do desemprego e da recessão econômica causados pela perda de competitividade das empresas nacionais no mercado externo”, descreveu.

Fonte: EBC

#Eleições2012 - Eleitores votarão domingo sem saber se seu candidato é ficha suja


Regendo sua primeira eleição, a Lei da Ficha Limpa levou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedidos de impugnação de 1.361 candidaturas de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores em todo o país. Apesar de a votação ocorrer no próximo domingo (7), no entanto, a grande maioria dos políticos sob suspeição disputará o voto do eleitorado sem saber se será enquadrada como ficha suja.

A incerteza vai marcar a eleição porque o plenário do TSE não conseguirá julgar todos os processos antes do próximo domingo. Até lá, estão previstas, inicialmente, duas reuniões da Corte, hoje (2) e quinta-feira (4). Contudo, há a possibilidade de os ministros decidirem por sessões extras para acelerar o julgamento dos processos.

Além dos casos motivados pela Lei da Ficha Limpa, o TSE também tem que analisar milhares de outras ações envolvendo registros de candidaturas. Nos casos em que não houver deliberação da Justiça Eleitoral, os candidatos concorrerão no próximo domingo sub judice e os votos serão computados normalmente.

Contudo, a vitória nas urnas não será a garantia de posse no cargo ao qual disputou. Isso porque, se posteriormente o candidato tiver o registro impugnado pelo TSE, os votos serão considerados nulos. O tribunal analisará caso a caso qual será o procedimento nas situações em que o vencedor tenha seu registro cassado.

Entre as hipóteses, estão a diplomação do segundo mais votado ou até a realização de uma nova disputa, no caso de eleição majoritária. No caso dos vereadores, serão empossados os candidatos que tiverem o maior número de votos.

Aprovada em 2010, a Lei Complementar 135, batizada como Lei da Ficha Limpa, está valendo para as eleições municipais deste ano. Pela legislação, não podem se candidatar  a cargo eletivo os políticos condenados pela Justiça em decisão colegiada (por mais de um desembargador), mesmo em processo não transitado em julgado (com condenação definitiva).

Entre outros pontos, a lei também pune o político que renunciar ao mandato quando já houver representação ou pedido de abertura de processo, aumentando o período de inelegibilidade pela soma do que resta do mandato e mais oito anos. Antes, a suspensão ia de três a oito anos.

Fonte: EBC

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

RÁDIO NOTÍCIAS - Campanha “Quanto vale o seu voto?” - Comunicação


Campanha “Quanto vale o seu voto?” - Comunicação

Click e Ouça:

Fonte: EBC / Produção CFEMEA – Centro Feminista de Estudos e Assessoria

Polícia Militar paulista matou 229 pessoas no primeiro semestre


Confrontos envolvendo a Polícia Militar (PM) de São Paulo provocaram a morte de 229 pessoas só no primeiro semestre deste ano. Os números foram passados à Agência Brasil pelo ouvidor da Polícia do Estado de São Paulo, Luiz Gonzaga Dantas. Isso representa crescimento, segundo ele, quando comparado a 2011, quando 438 pessoas morreram em confrontos com a polícia durante todo o ano.

Somente os confrontos envolvendo o 1º Batalhão de Choque da Polícia Militar, batizado como Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), vitimaram 48 pessoas no primeiro semestre deste ano.

“Se pegarmos um policiamento mais específico, no caso, a Rota, há uma letalidade no semestre maior do que no ano passado. No ano passado tivemos, nesse mesmo período , 40 pessoas que foram vitimadas pela Rota. No primeiro semestre deste ano, tivemos um aumento de 20%, ou seja, 48 pessoas que foram vitimadas pela Rota”, disse o ouvidor, em entrevista à Agência Brasil.

Se forem considerados também os meses de julho e de agosto, a letalidade em confrontos envolvendo a Rota e registradas como “resistência seguida de morte” sobe para 65 casos. Para a ouvidoria, se for mantido o ritmo, “é possível que o número de letalidade da Rota seja maior em 2012”.

Os números de setembro ainda não foram contabilizados, mas devem ser acrescentadas à lista as nove mortes ocorridas em Várzea Paulista, na Grande São Paulo, onde 40 homens da Rota entraram em confronto com um grupo de criminosos que julgava um homem acusado por eles de estupro.

Desde novembro do ano passado, a Rota esteve sob o comando do tenente-coronel Salvador Modesto Madia, que foi substituído na última quarta-feira (26) pelo tenente-coronel Nivaldo César Restivo. Ambos são réus no processo que envolve o Massacre do Carandiru, ocorrido em 1992, quando 111 detentos foram mortos.

Em todo o ano passado, confrontos envolvendo a Rota vitimaram 82 pessoas, mostrando crescimento no número de mortos desde 2007, quando foram registrados 46 casos. Desde 2001, o maior número de mortes envolvendo a Rota ocorreu em 2003, com 124 letalidades.

Para o ouvidor, os números mostram que é preciso ampliar o esforço para que as mortes ocorridas em confrontos com a polícia deixem de ser registradas como resistência seguida de morte e passem a ser consideradas homicídios.

“Estamos envidando esforços para que esse registro seja feito de acordo com a lei. Não é nenhuma coisa do outro mundo. Vamos conversar com o Tribunal de Justiça e o Ministério Público para que crimes onde há mortes e nos quais conste que a pessoa resistiu a uma ordem legal do agente público de segurança sejam registrados como homicídio”, disse Dantas.

Apesar de os números apontarem crescimento no número de mortes, o perito aposentado do Instituto de Criminalística de São Paulo, Osvaldo Negrini Neto, responsável pelo laudo principal sobre a morte dos presos no Massacre do Carandiru, acha que houve mudanças no comportamento da Rota desde aquela época.
“Eu trabalhava em uma seção chamada de Perícias de Resistência Seguida de Morte. Sabe quantos casos tínhamos por mês, naquela época? Duzentos e vinte. E a maioria era [praticada pela] Rota. Hoje, com a população quase dobrada, não chega a 50 por mês, na capital. Veja como mudou a conduta da Polícia Militar. Ainda está violenta, mas na época você nem acreditaria”, disse ele, à Agência Brasil.

Segundo o perito, no mês seguinte ao massacre, já foi possível constatar uma queda no número de mortes envolvendo policiais. “Do mês de novembro em diante, o número de resistência seguida de morte, ou seja, de homicídios cometidos pela Polícia Militar, caiu de 220, na média, para 35. E ficou nessa média durante muito tempo”, disse ele, que se aposentou em 2010.

Já para Guaracy Mingardi, especialista em Segurança Pública e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o excesso policial não acabou após o episódio do Massacre do Carandiru. Passados 20 anos, ele acredita que ainda falta controlar mais o trabalho da Polícia Militar. “Quando não se pisa no freio, a polícia extrapola, porque é mais fácil trabalhar com violência”, disse ele.

Mingardi critica a decisão da Secretaria de Segurança Pública de colocar no comando da Rota policiais que são denunciados pelo massacre. Para ele, com isso, passa-se à população uma “mensagem errada”.

O padre Valdir Silveira, coordenador nacional da Pastoral Carcerária, tem a mesma opinião: “Nosso manifesto coloca a indignação contra a premiação dos militares que participaram do Massacre do Carandiru. Não só não houve julgamento [dos responsáveis pelo massacre do Carandiru] como houve, pelo Estado, o fortalecimento e a premiação [dos policiais] dizendo: ‘Eles agiram corretamente e agora merecem destaque e apoio’”.

O número de policiais militares assassinados no estado de São Paulo também vem crescendo e é praticamente 40% maior do que a quantidade de casos registrados em todo o ano passado. Ao longo de 2011, foram mortos 48 policiais, enquanto nos primeiros nove meses de 2012, até o início de setembro, foram 67 ocorrências.
Para Mingardi, os números podem indicar que está ocorrendo um “revanchismo” em São Paulo. “A polícia mata, os criminosos vão se vingar e a coisa vai crescendo. Aí, quando se mata um policial, a polícia vai lá e mata mais. Inclusive porque existe uma falha no nosso sistema. Quando não se resolve o caso do policial morto e não se prende logo os criminosos, vai se criando uma ideia de revanchismo na polícia.”

A Polícia Militar de São Paulo não respondeu aos esclarecimentos solicitados pela Agência Brasil. Já a Secretaria de Segurança Pública (SSP) disse que a taxa de letalidade vem caindo. “A taxa de letalidade caiu significativamente ao longo da década. Ela era, em 2003, de uma morte por 132 prisões e apreensões realizadas. Hoje, a taxa é uma morte por 290 prisões. A taxa de mortos pela polícia em São Paulo é 1,1 em  cada grupo de 100 mil habitantes”.

A secretaria também destacou que a polícia é treinada para agir de acordo com a lei e que, em casos de excessos ou crimes, os policiais são punidos. “Importante lembrar que, neste ano, três policiais da Rota foram presos depois de serem acusados de homicídio em uma ação. A ‘mensagem’, portanto, sempre foi a de agir dentro da legalidade”, disse o órgão.

Sobre a mudança no comando da Rota, a secretaria informou que ela não foi provocada por motivos especiais e ocorreu por “um remanejamento técnico e administrativo”.

Em entrevista a jornalistas na última quinta-feira (27), o governador Geraldo Alckmin falou que a substituição no comando da Rota foi técnica. “Essas mudanças são normais e são decisões técnicas, da pasta e do comando [da PM]”.

O governador também enfatizou que o número de homicídios vem caindo no estado. “Todos os indicadores de homicídio são crescentes no Brasil e em São Paulo há queda. Somos um dos poucos estados na faixa de dez homicídios por 100 mil habitantes, que é o que recomenda a Organização Mundial da Saúde”, disse ele.

Fonte: EBC

“Igreja Universal quer dominar o Brasil”: pesquisador analisa livro do bispo Edir Macedo sobre política e investimentos feitos pela denominação na mídia


Em meio às polêmicas envolvendo a campanha à prefeito de São Paulo do candidato Celso Russomano (PRB) e suas ligações políticas com a Igreja Universal do Reino de Deus, o jornalista Johnny Bernardo publicou artigo analisando as ideias do bispo Edir Macedo sobre fé e política, expostas no livro “Plano de Poder – Deus, os Cristãos e a Política”.

De acordo com Bernardo, “o objetivo é claro: A Igreja Universal quer dominar o Brasil”, e para isso, o líder da IURD montou uma estratégia complexa de crescimento e influência na sociedade.

-Para realizar seu intento – de criar uma nação evangélica e “governada” por Deus -, Macedo estabeleceu uma série de estratégias, como eliminação das concorrências, investimento maciço em meios de comunicação, influência da sociedade por meio de campanhas de marketing e defesa de temas polêmicos, a exemplo da legalização do aborto, e a busca do poder pela organização política – afirma o jornalista e pesquisador Johnny Bernardo.

Johnny Bernardo pontua ainda que as estratégias adotadas por Edir Macedo para a implementação do suposto plano de domínio tem semelhanças com iniciativas tomadas em outros países, com resultados negativos: “As estratégias definidas e seguidas por Edir Macedo possuem paralelos com diversos movimentos destrutivos dos EUA e Europa, mas, em especial, com a Igreja da Unificação, fundada em 1954 pelo Rev. Moon (1920–2012). Assim como a IU, a Igreja Universal encara a formação da opinião pública e o recrutamento de seguidores como elementos cruciais para o alcance de seus objetivos”.

Confira abaixo a íntegra do artigo “A Igreja Universal e seu plano de domínio para o Brasil”, do jornalista Johnny Bernardo, publicado pelo Genizah:

O objetivo é claro: A Igreja Universal quer dominar o Brasil. Pré-definido no livro Plano de Poder, Deus, os cristãos e a política (Edir Macedo com Carlos Oliveira, 2008), o objetivo vem se desenvolvendo ao longo dos anos, e, nas eleições municipais de 2012, pretende se consolidar. Fé e política, no entender de Edir Macedo, são elementos interligados aos quais os crentes devem se engajar.

Para realizar seu intento – de criar uma nação evangélica e “governada” por Deus -, Macedo estabeleceu uma série de estratégias, como eliminação das concorrências, investimento maciço em meios de comunicação, influência da sociedade por meio de campanhas de marketing e defesa de temas polêmicos, a exemplo da legalização do aborto, e a busca do poder pela organização política.

Tomando como base São Paulo – onde o candidato do Partido Republicano Brasileiro (PRB) ao Executivo, Celso Russomanno, lidera as intenções de voto -, a Igreja Universal coloca em prática sua estratégia de dominação política. Segundo o presidente nacional do PRB e também bispo Marcos Antonio Pereira, a meta para 2012 é a eleição de pelo menos 100 prefeitos e até dois mil vereadores, em todo o país.

Questionado pela relação da campanha de Russomanno com a Igreja Universal e a TV Record – em uma entrevista concedida ao portal UOL e Folha de São Paulo, no último dia 26 de setembro – Marcos Pereira saiu em defesa da laicidade do Estado e a total independência administrativa, caso Russomanno seja eleito, mas teve dificuldade em explicar o motivo da composição “evangélica” do partido – dos 18 dirigentes nacionais pelo menos dez são oriundos da Igreja Universal ou da TV Record, segundo apontamento feito pelo cientista político Claudio Gonçalves Couto.

Um projeto de Deus

De olho no crescimento dos evangélicos no Brasil – sendo hoje algo em torno de 42,3 milhões, segundo última estimativa feita pelo IBGE – o bispo Edir Macedo lançou seu plano de domínio do Brasil, conclamando os crentes a participarem da tomada do Poder. Afirmando seguir orientações divinas, Macedo relaciona à chegada ao Poder como um projeto “elaborado” e “pretendido” por Deus.

“Vamos nos aprofundar, através desta leitura, no conhecimento de um grande projeto de nação elaborado e pretendido pelo próprio Deus e descobrir qual é a nossa responsabilidade neste processo. [...] Desde o início de tudo Ele nos esclarece de sua intenção de estadista e de formação de uma grande nação.” (Plano de Poder, pág. 8)

A Bíblia, segundo Macedo, não é apenas um livro de orientações religiosas ou de exercício da fé, mas também um livro que sugere resistência, tomada e estabelecimento do poder político e de governo. “Somente quando todos ou a maioria dos que a seguem estiverem convictos de que ela é a Palavra de Deus, então ocorrerá a realização do grande sonho Divino”, conclui Macedo colocando-se como canal da realização do “grande sonho Divino”, que é o estabelecimento do Brasil como nação “evangélica”.

Lançado às vésperas das eleições municipais de 2008, o livro Plano de Poder revela o prognóstico feito por Edir Macedo em seu plano de tomada do governo. Nele ressalta que tudo é uma questão de engajamento, consenso e mobilização dos evangélicos. “Nunca, em nenhum tempo da História do evangelho no Brasil, foi tão oportuno como agora chamá-los de forma incisiva a participar da política nacional (…). A potencialidade numérica dos evangélicos como eleitores pode decidir qualquer pleito eletivo, tanto no Legislativo, quanto no Executivo, em qualquer que seja o escalão, municipal, estadual ou federal”, afirma Macedo.

Semelhanças

As estratégias definidas e seguidas por Edir Macedo possuem paralelos com diversos movimentos destrutivos dos EUA e Europa, mas, em especial, com a Igreja da Unificação, fundada em 1954 pelo Rev. Moon (1920–2012). Assim como a IU, a Igreja Universal encara a formação da opinião pública e o recrutamento de seguidores como elementos cruciais para o alcance de seus objetivos. Desenvolve, assim como na IU, uma acirrada guerra contra meios de comunicação e religiosos concorrentes, além de investir em times de futebol com foco em marketing de massa, e na ideia de que estão “colaborando” com o estabelecimento do Reino de Deus, no mundo. Acima de tudo, dizem atuar como canais de comunicação de Deus e dão forte ênfase ao crescimento financeiro – sinal, segundo as igrejas, da retribuição divina.

domingo, 30 de setembro de 2012